População, vereadores e demais autoridades, discutem em audiência pública, solução para o problema do abastecimento d'água do distrito de Rajada, em Petrolina

por Waldiney Passos publicado 10/06/2019 13h15, última modificação 10/06/2019 13h21
A sessão itinerante, apesar de ter como objetivo buscar soluções para atender o povo de Rajada, foi marcada por bate-boca político, diferente do que foi proposto pelos vereadores Paulo Valgueiro, MDB, e Manoel da Acosap, PTB, autores da audiência pública.

Com a participação de setores representativos da população de Rajada, distrito de Petrolina/PE, a audiência pública que foi sugerida pelos vereadores Paulo Valgueiro, MDB, e Manoel da Acosap, PTB, na manhã deste domingo, 9, teve como objetivo buscar saídas para amenizar o sofrimento da população rajadense, com a pouca, às vezes até nenhuma, oferta de água. Mas apesar de se buscar uma saída urgente para o problema, as discussões se transformaram em vários momentos, em bate-boca político, diferente do que se buscava com o debate que era achar uma solução de fato de melhoria do abastecimento d’água no distrito.

O debate itinerante da Casa Plínio Amorim foi presidida pelo primeiro vice-presidente do poder legislativo, vereador Ronaldo Sousa (Ronaldo Cancão) com a presença de parte dos 23 parlamentares petrolinenses. Um dos autores da audiência, o vereador Paulo Valgueiro apontou que ouvir as demandas do povo, nesse caso do problema de abastecimento de água de Rajada, demostra que o poder legislativo tem procurado fazer sua parte, mas enxerga de forma diferente quando se trata do poder executivo.

“Infelizmente, os colegas da situação mais uma vez demonstram a falta de vontade do município em querer resolver o problema definitivamente. Vejo mais eles interessados em mostrar força, preferindo manter a briga com a Compesa para tomar os serviços de água e esgoto e privatizar os serviços”, frisou ‘Paulinho’ que é líder da oposição na Casa.

Manoel da Acosap, um dos integrantes da bancada do governo no legislativo petrolinense, também autor da audiência, lembrou sempre que existe um problema para resolver em Rajada. E que tem feito sua parte, levado à Casa Plínio Amorim para o distrito na busca das soluções.

“Essa é a terceira vez que a gente traz a Câmara para discutir com o povo aqui de Rajada, soluções de problemas locais. Foi assim na questão da regularização fundiária. Agora nosso foco é resolveu o problema dessa falta de água constante. Queremos sair daqui com uma solução”, acrescentou. 

Os vereadores que compareceram ao debate, deixaram seus recados e sugestões. Usaram a tribuna os vereadores Osinaldo Souza, Maria Elena de Alencar, Cristina Costa, Rodrigo Araújo, Ronaldo Silva e Gilberto Melo. O presidente da sessão, vereador Ronaldo Cancão, alertou que não dá mais para sacrificar a adutora com ramais.

"Precisa de um novo investimento para resolver essa questão da oferta de para Rajada, Dormentes e Afrânio. Não pode mais colocar ramal na Adutora de Afrânio", observou Cancão.

O deputado estadual Lucas Ramos, PSB, junto com a deputada Dulcicleide Amorim, PT, fazem parte da bancada do governador Paulo Câmara, PSB, na Assembleia Legislativa de Pernambuco. Lucas frisou que no caso da Compesa em Petrolina, a questão política tem atrapalhado as melhorias na cidade.

“Esse é um assunto caro não só pra mim, mas para todos nós de Petrolina. Eu venho defendendo a união de forças. Não olhar mais para trás e deixar a vontade política, nos dar as mãos para destrinchar cada um desses projetos que estão disponíveis tanto na Compesa como na Prefeitura para aí sim, ir buscar os recursos”, salientou Lucas.

Dulcicleide Amorim que é filha de Rajada, cobrou dos presentes que deixassem os embates políticos, esquecessem o palanque e olhassem mais a população que está sofrendo as consequências da “politicagem” quando o assunto é a atuação da Compesa na cidade, especialmente em Rajada.

“Não se pode fazer política com esse problema da falta d’água. Antes os aliados, hoje são oposições e o problema continua. Agora quem está sofrendo as consequências é a população. Se quiser sentar Prefeitura e Compesa, as ações acontecem e Odacy (ex-prefeito Odacy Amorim), mostrou que um entendimento é possível quando foi prefeito”, apontou a parlamentar.

Para o diretor-presidente da Agência Reguladora do Município de Petrolina (ARMUPE), Rubem Franca, colocou para os presentes que não houve por melhoria no sistema de Rajada, porque o investimento “foi zero nos últimos anos”. 

“Algo precisa ser feito com diagnostico e projeto, pois o planto atuou acabou, não foi cumprido. E pelo que observamos, o investimento da Compesa dentro desse plano foi zero. Por isso registre no anais que primeiro é necessário esse novo diagnóstico”, esclareceu.

O chefe da assessoria especial da Prefeitura, Orlando Tolentino, disse que só sem a Compesa que a solução chegará. “Nosso governo pretende contratualizar, esse é o tempo, e não privatizar os serviços de água e esgoto de Petrolina. A Compesa não acompanhou o nosso desenvolvimento”, colocou.

Ex-prefeito de Petrolina que foi responsável pelo o acordo que permitiu novos investimento da Compesa em Petrolina, o presidente do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), o ex-deputado Odacy Amorim frisou que a solução para a Rajada seria a construção de uma nova adutora para abastecer o distrito.

“Os governos do nosso campo político trouxeram duas adutoras para esta região, agora é preciso se implantar mais uma, separar o sistema Afrânio e Dormentes, e assim aumentar a oferta de água aqui em Rajada”, sugeriu Odacy.

O secretário de Agricultura e Governo de Petrolina, Simão Durando Filho, também acompanha Orlando Tolentino sobre uma nova empresa operar o sistema de água e esgoto em Petrolina. “As pessoas aqui estão pagando vento. O prefeito Miguel Coelho trabalha para que essa concessão ocorra até o final do ano”, revelou.

Para o líder comunitário Dino Ramos \(Dino de Rajada), é preciso que as autoridades se sentem e conversem na busca de uma saída para a questão do abastecimento da localidade. “A nossa necessidade deve estar acima dessa briga política”, completou.

O gerente regional da Compesa, João Raphael de Queiroz, explicou que tem feito os investimentos e que sempre quando existiu entendimento com o município as ações acontecera, citando o fim dos problemas com o esgotamento no bairro São Gonçalo e o trabalho realizado em conjunto com a Prefeitura nos esgotos da Orla 1. João explicou os problemas recentes do desabastecimento na região de Rajada, colocando que problemas com a energia elétrica para fazer funcionar as bombas, deixaram o sistema com problema pelo menos em 24 dias do mês passado. “Estamos buscado resolver essa questão da parte elétrica com a Celpe e garantir um serviço sem esses contratempos nessa região”, ressaltou o gerente. 

João Raphael frisa que a Compesa tem tido compromisso e trabalhado para buscar soluções que atendam a população, mas que sem o entendimento com o governo municipal, fica mais difícil uma solução mais rápida.

“Em agosto de 2018 concluímos uma proposta para fazer investimentos em água e esgoto, mas as brigas política vêm interferir no serviço destinado à população. Quando houve um entendimento, por conta da decisão do ex-prefeito Odacy Amorim, foram investimento mais de R$ 150 milhões”, afirmou o gerente regional, alertando que uma empresa privada, dificilmente faria os investimentos necessários a resolver problemas como o de Rajada, sem sacrificar os usuários.

 

 

Texto: Cinara Marques

Foto: Divulgação

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.