Vereador Ednaldo Lima rebate declaração de Zé Batista sobre o Minha Casa, Minha Vida

por waldiney — publicado 22/03/2016 18h09, última modificação 20/09/2016 11h21
Em meio à votação do projeto de Regularização Fundiária, nesta terça-feira (22), na Câmara Municipal de Petrolina (PE), o vereador Ednaldo Lima (PMDB), líder do Governo, rebateu as declarações do colega de parlamento, José Batista da Gama (PDT), de que existem processos no Ministério Público de Pernambuco (MPPE), sobre irregularidades no programa Minha Casa, Minha Vida, e de que ele teria recebido cerca de 30 pessoas em seu gabinete a procura de casas.

Em meio à votação do projeto de Regularização Fundiária, nesta terça-feira (22), na Câmara Municipal de Petrolina (PE), o vereador Ednaldo Lima (PMDB), líder do Governo, rebateu as declarações do colega de parlamento, José Batista da Gama (PDT), de que existem processos no Ministério Público de Pernambuco (MPPE), sobre irregularidades no programa Minha Casa, Minha Vida, e de que ele teria recebido cerca de 30 pessoas em seu gabinete a procura de casas.

“É muito natural que as pessoas me procurem aqui, agora o meu encaminhamento é o que importa, a forma como eu recebo as pessoas. As pessoas têm o direto de vir ao meu gabinete, é público. Então se as pessoas vêm ao meu gabinete e querem esclarecimento, querem uma orientação, é o meu papel fazer isso. Então que a Câmara diga oficialmente que esse não é o meu papel. O vereador se quiser que entre com a reclamação judicial, me cobrando, dizendo que eu estou fazendo algum procedimento errado”, pontua.

Com relação ao programa de habitação, Ednaldo, que é Ex-Secretário Executivo de Habitação, foi taxativo. “O município de Petrolina tem um corpo jurídico que está diariamente respondendo aos questionamentos. Sempre que tem uma seleção de casas e seleção de famílias do programa, as famílias procuram a imprensa, ou a ouvidoria, ou procura a promotoria pública para questionar por que não recebeu. Isso aí é um processo natural, eu já respondi centenas de ofícios nesse sentido. Agora eu passei sete anos no governo e voltei aqui para Câmara e eu digo até hoje, nunca respondi nenhum processo com relação a nossa atuação”, afirma o vereador.